sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Do outro lado do muro

Do outro lado do muro existe uma outra realidade... 

Quando resolvi escrever sobre essa realidade, eu tive plena consciência que mais do que polemizar ou impressionar, a intenção é só conscientizar sem lição de moralidade.
 Há um pouco mais de três anos eu trabalhei na ASFA (Associação São Francisco de Assis). Local que atende crianças carentes em todos os sentidos.
Conheci crianças que me ensinaram a ter mais paciência, mais amor e mais sensibilidade aos problemas sociais. Descobri outra realidade que estava presente há poucas ruas do meu bairro. E talvez distantes demais aos olhos dos nossos governantes. Essa realidade não é nova. Sempre existiu, sempre acompanhou a humanidade.
Deparava com crianças que todos os dias eram torturadas e abusadas sexualmente por homens sem dignidade nenhuma para qualquer tipo de adjetivo. Mães que agrediam sem compaixão nenhuma vossos filhos, crianças com pais, sem pais... Crianças que viram seus pais sendo assassinados... 

Crianças que tinham as únicas refeições diárias fornecidas pela instituição e pelas escolas que estudavam.
O jeito agressivo que algumas crianças tinham, seus gritos, seus xingamentos e crises de histeria não poderia ser tratado com castigos e nenhum tipo de penitência. Toda a rebeldia tinha que ser tratada com amor, atenção e muito diálogo. Se eu não tinha formação em psicologia a vida naquela instituição me ensinou.

Mas todas essas crianças tinham o desejo de serem amadas, cuidadas, queriam mais e mais chamar a atenção. Um trabalho árduo mas que compensava a cada sorriso, pelo menos ali estavam seguras.

"As vezes pensamos que a pobreza é apenas fome, nudez e desabrigo. A pobreza de não ser desejado, não ser amado e não ser cuidado é a maior pobreza. É preciso começar em nossos lares o remédio para esse tipo de pobreza." (Madre Teresa)
Madre Teresa que em sua vida dedicou todo seu amor aos  mais necessitados.

Além dessa realidade muito próxima que pude conviver há uma realidade que vou citar de uma forma um pouco mais abrangente.
Muitas vezes ouvimos a seguinte colocação: "Enquanto você está jogando comida fora tem muita gente passando fome." É verdade. Mas o fato de não jogar a comida fora e comer "forçado" não vai fazer com que milhões de famintos no mundo sejam saciados enquanto você guarda a comida que jogaria fora. Mas o fato é ter consciência que existem SIM muitas pessoas que lutam dia-a-dia por um simples prato de comida.

Acredito que todos sabem que a África é o Continente que mais sofre com a fome e a pobreza. Pelo menos  150 milhões sofrem com a mais escassez de alimentos, e além de tudo isso sofrem muito com os conflitos internos que só tendem mais ainda mais a grande ruína.
Sei que deve está pensando: "E eu com isso?". Realmente não cabe, de uma maneira individual, resolver todo esse problema que sempre existiu. 
Mas por que reclamamos tanto da vida?
Será que apesar de tanto sofrimento essas pessoas reclamam da vida como, talvez, reclamamos?

Não podemos ajudar um Continente, um Estado, tampouco uma cidade. Mas uma maneira de ajudar o próximo começa pela auto consciência. Ajudar o outro não é dar aquilo que sobra. Isso não é ajudar. O que devemos fazer é compartilhar o que temos, não o que já não nos é mais necessário. 

"O que eu faço é simples: ponho pão nas mesas e compartilho-o." (Madre Teresa)

Por hoje é só, amigos.

(Sem revisão)

6 comentários:

lidiane disse...

Putz falou tudo!! Parabéns cada dia arrasando mais e mais! Sucesso!!!

Shirley disse...

Eu estou sem palavras para falar sobre esse texto, realidade e tapa na cara. Fui voluntária de um orfanato Caribe, hoje ajudo contribuindo com uma quantia por mês, mas eu sei que eles precisavam, talvez até mais do meu calor humano, mas coloquei meu projetos em primeiro lugar, lotei a minha agenda e não dei mais conta de ir lá toda semana.
Conscientização, olhar pra vida e derepente mudar, mas não é fácil, talvez pelo simples fato que não nos conscientizamos, ainda.
Perfeito o Texto!!! Sem mais...

Dini disse...

Nossa , eu merecia ler isso realmente, reclamo por tão pouco... Cris a pobreza de amor, a pobreza de paz de espirito,realmente deve doer...O egoísmo, o girar em torno de nós mesmos , faz com que nos faça cegos a ponto de não ver a realidade nua que está ai , se mostrando a todo tempo.Parabéns e obrigada por me fazer enxergar ...Eu realmente via, enxergar e reconhecer é diferente! Parabéns!!

Fernanda Marchioretto disse...

Amiga, belo texto!
Acredito que podemos sim mudar o mundo inteiro, se cada um fizer a própria parte de começar mudando ao seu redor.
Parabéns!

Chris Ribeiro disse...

Nós, 'homo sapiens', temos o poder sim de mudar e influenciar tudo ao nosso redor.
Só mesmo parafraseando o Bono Vox pra deixar bem claro o que penso sobre o assunto. Não precisamos de algo tão extraordinário assim como levar o homem a lua, só precisamos trazer a humanidade de volta à terra, nesta terra capitalista e extremamente consumista.

Bom, realmente não é uma tarefa fácil, e por isso concordo com o que a Fernanda disse acima, se cada um fizer sua parte, podemos mudar o mundo agindo localmente.

Ps.: 10 procê, trenzim! Post fino por demais!

@ChrisRibeiro

renailson disse...

Cris vc escreveu tdu ,sao palavras sinceras q comovem e mexe com a gente mas tem um porem....
as pessoas só se comovem no momento e depois elas esquecem di tdu o q leu aki =/ as vezes até lembramos mais achamos fazer algo tao simples, tao dificil.....infelismente essa é a verdade..mais eu tento né e eu tenhu certeza q vc tbem... bjo ti adorooo to com saudades dos nossos dialogos.. :D

Ads Inside Post