terça-feira, 11 de setembro de 2012

Não é namoro


O diálogo é longo, gostoso e com pausas para gargalhadas. Eles se olham profundamente nos olhos e por alguns segundos o silêncio toma conta junto com medo.
Ninguém quer se render aos encantos que o outro oferece. Não se pode apaixonar por aquele abraço gostoso, nem por aquele perfume que ficou na blusa após a despedida.
Ah, a despedida sempre fica com incerteza de um possível reencontro. Ambos estão certos do quanto é bom estar juntos, mas não sabem se é tão bom quanto a liberdade de escolher quando podem se reencontrar.
Ah, a liberdade que é o tempero mais sublime da felicidade. É bom ser pássaro, é bom voar. Mas quem consegue voar com os pés no chão? Quem consegue correr sem parar e olhar para trás?
Ah, o passado que atormenta o hoje trazendo lembranças ruins que não permitem acorrentar-se ao presente. Ele é o culpado do não, dos anseios e de toda sensação de independência que nos cerca agora.
Mas o beijo é bom, a companhia é gostosa e a cerveja gelada sela os encontros casuais que acaba com gosto de “garçom traz a saideira”.
E eles se encontram esporadicamente, se falam com frequência, mas não sabem se amanhã vão acordar juntos. Eles bebem até a última gota o presente.
Amanhã não pertence a nenhum dos dois, mas hoje eles estão bem, obrigada.


Ads Inside Post