quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Dos amores que vivi...

Amigos,

Não sou nenhum "Martinho da Vila" na versão mulher. Nem vou cantar aquela música:
"Já tive 'homens' de todas as cores, de várias idades, de muitos amores (...)" 
Mas como é bom lembrar dos amores que já vivi. Quem aqui já teve:

Amor de Infância: Aquele que nem sequer tenha dado um selinho, mas é bonitinho, engraçadinho e popular;

Amor de Adolescente: Paixão, amor eterno, tão eterno quanto os longos meses, semanas, dias que se entrega a esse amor;

Um namoro curto: Bons momentos, boas risadas, muito frio na barriga, mas depois de umas semanas (até dias) a poeira abaixou, o namoro esfriou, e a borboleta do estômago saiu pela boca e voou...;

Um namoro longo: Aquele que se vive como casados, se veem todos os dias, só não dividem o mesmo teto, mas compartilham de bons momentos, de todos os momentos, tão presente, tão presente que se tornam amigos. O passeio de mãos dadas acaba na rotina de um domingo inteiro aos cochilos escutando ao fundo a voz do Faustão na Tv.

Um amor perdido: Aquele que tem tudo pra dar certo, tudo se combina, a sensação de que "dessa vez vai ser diferente"  até que não é a hora certa. Não estão prontos. E de repente o telefone não toca mais, você também não sente mais vontade de ligar... e perdeu-se (o que nunca possuiu).


Mas chega um dia, chega um momento, talvez quando se chega aos 20 e poucos anos (beirando os 30, passando deles...) que não dá mais pra ser a pessoa certa na hora errada. Todos os amores já vivido já foram o suficientes para aprender como se relacionar. A visão muda, a vida já não é mais uma micareta, os valores são outros e aquela pessoa (que eu ainda não encontrei) tem que vir pronta. Nada de evitar erros, o importante é se entregar, viver a cada momento. Alguém que não venha para dividir os momentos da minha vida, e sim, alguém que possa somar.


<Talvez seja você?> #Medo

3 comentários:

Anônimo disse...

Acho (penso) q pode ser eu =P

Sabrina disse...

Já vivi amores de infância e de adolescente - que acho que todos vivem - e também um amor perdido. Esse, exatamente como você descreveu. Acho que é o mais triste.

Mas ainda acredito que nada na vida acontece por acaso!
E que talvez esses amores "errados" sirvam de aprendizado. Pra nos tornarmos pessoas melhores, mais maduras e principalmente pra quando "o amor certo" chegar. =)

Parabéns pelo blog, Cris! ;)

Beijo!

Nardinho disse...

adorei o textoo cris, parabéns pelo blog... bjo

Ads Inside Post