domingo, 30 de junho de 2013

Quero Colo

Eu abomino carência. Não suporto demonstrações públicas de quem precisa urgentemente de alguém. Isso mostra um certo desespero e medo da solidão. E eu sempre levantei a bandeira da autossuficiência. 
Acredito que a felicidade que tanto buscamos nas pessoas, na verdade está em nós mesmos. E deveríamos compartilhar nossos melhores momentos da vida com aqueles que vêm para completar aquilo que já está muito bom.

Só é possível ser feliz com alguém quando já estamos felizes com nós mesmos.
Mas de tanto nos fazermos de forte e autossuficientes, mergulhamos em um orgulho desnecessário. E hoje grito calada entre palavras: quero colo.
Já cuidei de tantas pessoas, dei ouvidos para tantos ombros e chega uma hora que sentimos falta de apenas um "como foi seu dia?" ou "como você está?".

Mesmo sendo forte, não dá para manter no "salto fino quinze" todo o tempo. Os pés cansam do mesmo jeito que nossa necessidade de cuidado fala alto. 
Ai, o jeito é se entregar às palavras desenfreadas, e escrever sobre a necessidade de um colo e um ombro amigo. Aquele ombro que sempre disponibilizei para todos os amigos e desconhecidos. 

Está tudo bem. Só quero colo. 


Nenhum comentário:

Ads Inside Post