terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Foi Numa Sexta-Feira Chuvosa

Eu estava indo para casa, o céu estava escuro demais para um final de tarde. Um estouro que vinha do alto me amedrontava. Os primeiros pingos grossos, eu apressei os passos e lembrei do meu guarda-chuva dentro da bolsa. Retirei-o, abri e mesmo com dois ferrinhos tortos eu utilizei para proteger-me da chuva. Continuei rapidamente, a chuva veio forte demais, o pequeno guarda-chuva já não dara a proteção necessária. Parei na primeira marquise. Sabia que aquela pequena proteção não era a que eu queria. Lembrei daquele domingo, quando estávamos juntos, fui até a varanda e vi uma barata. Eu tinha coragem suficiente para dar uma chinelada, mas tive que chamá-lo, ele tinha que matar a pobre barata, ele tinha que se sentir meu eterno protetor. 
Os relâmpagos estavam fortes, meu coração começou a gelar, já não tinha mais saída, eu já estava toda molhada, a casa dele estava próxima. Já não fazia sentido estarmos distantes, o silêncio já gritava, e sua presença foi substituída pela saudade. Tive que correr... Deixei pra trás o pequeno guarda-chuva quebrado... Não podia sentir minhas lágrimas sobre o rosto, elas se misturaram com a chuva... 
Ofegante, pedi para o porteiro não me anunciar, no elevador a cara feia daquela senhora ao ver que eu estava molhando os caminhos... Toquei a campainha e imediatamente ele abriu a porta e ficou surpreso. Puxou minha mão com cuidado, não disse nada... Levou-me até o banheiro e abriu a porta, sorriu, enxugou meu rosto com suas mãos, acendeu a luz e ali me deixou a vontade... Não poderia demorar muito naquele banho quente... Enxuguei-me em sua toalha, vesti a sua camiseta amassada, fui até o quarto e fiz dos braços dele o meu lar...

Lá não tinha mais chuva e nem trovão, não tinha mais ausência, mas eu podia ouvir o silêncio gritando de alegria, e eu podia ouvir, também, nossos corações pulando juntos, bem colados... Dormi naquele " barulho"   e sentindo sua respiração...
E ali fiquei, até ser acordada pelos cantos dos pássaros num sábado lindo e ensolarado. Ele? Ele estava sentado ao meu lado, vigiando meu sono...




6 comentários:

Carol Viana disse...

Tô muito romântica? Afffe...
Que vontade de ser a protagonista dessa história!...
\o/

Shirley disse...

Que perfeita essa noite de sexta chuvosa hein rs...
Quando a chuva passar, quando o tempo abrir, abra a janela e veja eu sou Sol...
Amo essa música, ela tem tudo a ver com situações amorosas mau resolvidas.
Pelo o que eu li nesse texto o ponto final ainda não chegou, por isso é necessário ir até o fim ouuu recomeçarrrr.

Lívia Komar disse...

Que lindo Cris!
Dias com chuva inspiram o romantismo, né?
Bjins

Chris Ribeiro disse...

"Lá não tinha mais chuva e nem trovão, não tinha mais ausência, mas eu podia ouvir o silêncio gritando de alegria, e eu podia ouvir, também, nossos corações pulando juntos, bem colados... Dormi naquele " barulho" e sentindo sua respiração..."

Por mais que o mundo esteja todo errado, cada um tem seu porto seguro.

Adorei texto, trenzim!

Bjo.

@ChrisRibeiro

Thiago Rodrigues disse...

É pra ler antes de dormir e depois acordar apaixonado !

Fernanda Marchioretto disse...

Como é importante sentir nosso porto seguro né?
Não consigo comentar muito, porque essa música tem um significado muito especial pra mim.
Sem mais, lindo, lindo, lindo!
Beijos amiga!

Ads Inside Post